Voltar

FAQ

Quais as formas de pagamento aceitas pelo gateway iugu?

Aceitamos boleto e cartão de crédito nacional (internacional das bandeiras Mastercard, Visa, Amex, Diners e Elo). Cartões de débito não são aceitos por questões de segurança de dados.

Quais são as categorias de negócios aceitas pela iugu?

Aceitamos diversos tipos de negócios, desde que possuam conta jurídica e não estejam classificados na lista de produtos e serviços proibidos.

O que é necessário para começar a usar iugu?

Após o contato com nossos consultores e fechamento de contrato é necessário criar uma conta iugu seguindo nossos requisitos para abertura de contas.

Qual o horário de expediente da iugu?

Nossa plataforma sempre estará no ar, o atendimento ao cliente e os saques de contas ocorrem se segunda a sexta, das 9h30 às 16h30. Entretanto, por dependência de sistemas bancários, os serviços da iugu são interrompidos em feriados. Saiba mais em nossa página de expediente.

Quais são os recursos cobrados pela iugu?

A partir do plano escolhido, os recursos são cobrados em modelo de assinatura e cobranças mensais. Se necessário, somam-se taxas de configuração inicial e tarifas variáveis. Saiba mais sobre as tarifas cobradas clicando aqui.

Em quais moedas a iugu aceita transações?

A iugu aceita transações somente em Real. No caso do uso de cartão de crédito internacional, a cobrança é também é feita em Real e a bandeira do cartão faz o câmbio para a moeda do cliente.

A iugu é homologada pelo Banco Central?

A iugu recebeu a licença do Banco Central que nos autoriza a funcionar como Instituição de Pagamentos. Publicada no Diário Oficial da União no dia 27 de agosto de 2020.

Quais bancos a iugu suporta?

Para receber os pagamentos pela iugu, é preciso possuir uma conta PJ em um dos seguintes bancos: Banco do Brasil, Banco Original, Banestes, Banrisul, Bradesco, BRB, BS2, C6, Caixa Econômica, Inter, Itaú, Mercantil do Brasil,Modal, Neon, Nubank, PagSeguro, Safra, Santander, Sicoob (Bancoob), Sicredi, Unicred e Via Credi.

Posso cancelar a iugu a qualquer momento?

Você deve solicitar o cancelamento da sua conta com 30 (trinta) dias de antecedência.

A plataforma pode ser utilizada por quem não é desenvolvedor?

Sim! Temos um painel facilitado onde é possível realizar a gestão financeira, cobrar seus clientes, controlar as assinaturas e acompanhar o crescimento de sua empresa.

Sua dúvida não está aqui?

Experimente a página de Ajuda e Suporte da iugu.

Voltar

Descomplique processos financeiros com a iugu!

Como começar a vender online? Hacks e dicas para não errar no básico!

A oportunidade de vender online exige baixo investimento, mas não quer dizer que não sejam necessários alguns cuidados e planejamentos. Confira!

Escrito em 04 de Agosto de 2021 por Daniela Giglio

Atualizado em 26 de Agosto de 2021

Com toda a transformação digital que estamos vivendo, é comum encontrar pessoas e empresas que queiram começar ou migrar para as vendas online. Seja por necessidade ou identificação com este canal, é certo que essa escolha pode agregar muito na geração de receita para seu negócio.

Se você está sem tempo de ler, também pode escutar este conteúdo no player abaixo!

Os números não mentem: 2020 foi um ano histórico para as vendas online. Em parte forçado pela pandemia de Covid-19, o ritmo de compras virtuais cresceu exponencialmente no ano, tendência esta que continua ainda em 2021. Muitos consumidores, após todo esse tempo comprando online, se acostumaram com toda a praticidade, variedade e conveniência que isso traz.

Assim, aproveitando este forte movimento, existem inúmeras oportunidades para empresas e empreendedores começarem a vender online. Isso é ainda mais potencializado pelo fato de que a operação digital não exige tanto investimento quanto a abertura de lojas físicas. Dessa forma, fica ainda mais fácil começar com poucos recursos e baixa mão de obra. 

E esse é um dos pontos que vamos mostrar no post de hoje. Além disso, vamos te explicar os passos essenciais para sua operação de vendas digitais, pois, antes de começar, de fato, seu negócio virtual, você precisa saber o que isso demanda em termos de ferramentas e estratégias.

Por isso, acompanhe este texto e elimine as barreiras e dúvidas sobre começar a vender online com todo o profissionalismo e escalabilidade que o seu negócio merece.

Produto ou Serviço? Você pode substituir por Experiência!

Vamos considerar que você já sabe o que quer vender online, já fez o seu planejamento de produto/serviço, já escolheu seus fornecedores/prestadores de serviço e nicho de mercado em que vai empreender.

Caso precise definir esses pontos, inicie por estes textos:

Você não precisa de uma gama muito grande de itens para começar a vender. Inicie testando poucos e bons produtos e se eles funcionam com o público. Saiba que, segundo a pesquisa Perfil do E-Commerce Brasileiro, 79,44% das lojas virtuais oferecem até dez produtos em seus sites; 9,94% oferecem de 11 a 100 produtos; enquanto 10,72% apresentam mais de uma centena de produtos.

O mais importante é ter um diferencial que torne o produto ou serviço autêntico pois, hoje, vivemos na era da Experiência, na qual ou você vende uma commodity (cujo único diferencial é preço) ou você cria uma verdadeira experiência e sai na frente da concorrência com algo único no mercado.

E, criar uma experiência - ou autenticidade - tem mais a ver com o que compõe a interação com seu cliente do que produto em si. A diferenciação pode ocorrer no seu branding, conteúdo, facilidade de compra, atendimento, flexibilidade de pagamentos e outros fatores que, somados, levam sua marca a conquistar um público fidelizado.

Um bom exemplo disso são os Clubes de Assinatura, que oferecem produtos ou serviços pensados para diferentes perfis de consumidores. Todo o ritual de compra e recebimento das caixas customizadas envolvem relacionamento, personalização e adaptação às diferentes preferências em questão de: tipo de produto, quantidade, frequência de recebimento e tipo de pagamento.

Por isso, busque não só procurar um bom produto para vender, mas pense em cada detalhe da jornada de compra do seu cliente, trazendo fatores imateriais para sua estratégia de diferenciação e posicionamento do empreendimento. Isso vale a pena e poderá até te dar margem para uma precificação maior. Pense nisso.

Marcas fortes começam com o básico!

Agora, a criação da sua marca. Ela precisa, no mínimo, ter um nome memorável que represente seu negócio. E aqui vão algumas dicas para isso:

  1. Faça um brainstorming com seus parceiros de negócio ou até mesmo familiares, para chegar às ideias de nomes;
  2. Pesquise negócios do mesmo nicho que o seu para se inspirar;
  3. Menos é mais: priorize os nomes fáceis de serem guardados pelo público, evitando nomes muito complicados e cheios de estrangeirismos. Seja simples e preciso!
  4. Após essa decisão, é hora de buscar se, legalmente, há outra empresa já registrada com este nome ou se ele está livre para uso. Em alguns estados, você consegue fazer essa consulta online. Pode ser necessário alguma alteração para chegar a um nome disponível;
  5. Agora, é hora de REGISTRAR sua marca. Nunca comece um negócio sem fazer isso, pois não registrar pode inviabilizar toda a sua operação futuramente, e você não quer isso, não é mesmo? Para registrar é simples: reúna o contrato social (CNPJ) e seus documentos pessoais e vá até uma junta comercial ou ao cartório de registros de pessoas jurídicas e solicite o registro;
  6. Além disso, você precisa usar este nome ou um nome fantasia na criação do seu site (o “NomeDaSuaLoja.com.br”). Para essa finalidade, basta comprar o domínio em sites como Hostinger, HostGator, Locaweb, GoDaddy ou Registro.br. 

E-commerce de sucesso

Escolha seu canal de vendas online - opções não faltam!

Hoje temos diversas opções de onde vender online, e você não precisa ficar restrito a somente um deles. Pense estrategicamente em ser omnichannel. Você também pode começar com os canais de baixo investimento e depois expandir a operação. Ou, ainda, já começar montando seu próprio site para ter mais chances de levar o negócio a sério. Recomendamos as plataformas de e-commerce - muitas vezes, elas têm até a possibilidade de uso gratuito.

Então, sem desculpas e mãos à obra! Abaixo, listamos algumas opções de canais digitais de vendas para empreendedores.

Venda em Marketplaces 

No universo dos 20 principais marketplaces do Brasil, 372 mil empresas únicas estão vendendo em algum dos sites. Desses, 44,80% têm presença no marketplace e também em site próprio, segundo esta esquisa.

Os marketplaces são boas opções para empreendedores que não têm a intenção de investir tanto em uma marca própria. Isso porque são plataformas prontas, que permitem pouca ou nenhuma personalização do espaço de venda.

Mas, por outro lado, são atrativas porque oferecem uma estrutura pronta para começar a vender e se responsabilizam pela publicidade da plataforma e pelos meios de pagamento oferecidos ao cliente final. 

Tudo isso cobrando, é claro, uma comissão pelos serviços e uma porcentagem sobre as vendas.

Para se cadastrar como vendedor nas principais plataformas de marketplace, o passo a passo costuma ser bem simples:

  • Se você já tiver um negócio, basta preencher um cadastro informando seus dados e da sua empresa (na maioria das vezes, é preciso ter CNPJ ou MEI, além de CNAE de varejista, conta corrente e capital social mínimo);
  • Após a aprovação do marketplace, você poderá cadastrar os produtos, preços e começar a vender!
  • Quando uma venda é feita, você precisará emitir a nota fiscal e se responsabilizar pelo pagamento da tributação do produto ou serviço, além de acompanhar o pedido e sua conclusão.

Algumas boas opções de marketplaces para começar a vender online são:

  • Mercado Livre - não precisa ter CNPJ;
  • Elo7 - mais voltada a produtos artesanais;
  • B2W - tem diversas plataformas: Americanas, Americanas Empresas, Submarino e Shoptime.

Venda pelo WhatsApp

Outra opção que tem despontado como um bom canal de vendas no Brasil é o aplicativo de mensagens WhatsApp, que tem mais de 120 milhões de usuários ativos no país.

Através da opção de negócios, no WhatsApp Business é possível oferecer um catálogo de produtos, mensagens comerciais e até receber pagamentos.

Se você deseja se aprofundar neste canal, ensinamos tudo sobre como vender online pelo WhatsApp neste post e recomendamos a leitura!

Venda pelo Instagram 

As mídias sociais já são adotadas por cerca de 69% das lojas online. Este canal é bom para iniciantes e para testar o giro de produtos. Crie uma conta comercial gratuita e otimize seu perfil para deixar claro sua atividade e conseguir ficar mais visível no algoritmo da rede. Para isso, coloque todas as informações necessárias sobre produtos, pedidos e o link para compras na bio da página. 

Use todos os recursos para mostrar seus produtos, como criar uma resenha no IGTV, stories, destaques com catálogo, funcionamento, mais sobre a história da sua loja e etc.

Trabalhe bem seu feed e identidade visual, para criar a identidade da sua marca e gerar identificação com o público. 

Tente não tornar o perfil apenas focado em vendas - gere valor com conteúdos e se relacione com seu público, pois isso é o que ele procura nas redes sociais. 

Venda em Plataformas de e-commerce

Contratar uma plataforma profissional para montar o e-commerce é essencial para quem deseja ter um site próprio, com customização e funcionalidades mais avançadas em atração e conversão de vendas. E engana-se quem pensa que é preciso um alto investimento nas plataformas para começar. Em muitas delas, é possível começar gratuitamente!

Atenção a essa dica: as plataformas no modelo SaaS são as mais vantajosas, pois você paga apenas uma mensalidade flexível para ter acesso a um pacote de serviços prontos, como hospedagem e integrações. O sistema de e-commerce permite ao administrador gerenciar os pedidos, carrinhos, pagamentos, logística. Tudo por trás da interface do site.

Aqui neste link, te contamos sobre as plataformas de e-commerce com que trabalhamos e confiamos para indicar a você, e quais critérios você pode usar para fazer sua escolha. Confira!

Como configurar sua plataforma de e-commerce?

Passo 1

Após optar pela plataforma que mais atende sua necessidade e expectativa, o primeiro passo é configurar e associar o seu domínio registrado anteriormente (o NomeDaSuaLoja.com.br) junto à plataforma de e-commerce, para começar a receber visitantes que buscam pelo nome da sua loja. Cada plataforma terá o passo a passo certinho para você fazer essa configuração de nome/domínio.

Passo 2

Comece o cadastro de produtos que você vai vender.

  • Faça um benchmarking para ter uma ideia de como é feita a categorização em lojas virtuais;
  • Categorize seus produtos e insira preço, descrição, código de barras;
  • Configure o estoque e o que acontecerá caso o produto esgote.

Importante: crie títulos matadores para seu produto e coloque imagens de qualidade, descrição, diferenciais e orientação de uso. Lembre-se também de que título e descrição devem estar otimizados para SEO, ou seja, eles devem conter a palavra-chave pela qual seu produto pode ser encontrado por quem busca na internet.

Passo 3

Customize! Sua página de e-commerce é sua vitrine. Por isso, é importante conter:

  • Fotos/Catálogo - crie suas próprias fotos, em vez de usar somente o catálogo dos fornecedores. Você pode fazer vídeos também, para mostrar o produto de forma bem próxima da realidade. Você pode usar tanto no site quanto nas redes sociais;
  • Design - customize os temas oferecidos pela plataforma para deixar a loja virtual com a sua identidade de marca;
  • Banners - insira banners para convidar o cliente a conhecer itens, aproveitar promoções, indicar para amigos e etc;
  • Logotipo - tenha o logotipo da sua empresa, ele será parte importante da sua construção de marca.

Passo 4

Agora, falta integrar os serviços que vão atender às suas necessidades de negócio, como:

  • Frete;
  • Estoque;
  • Pagamentos.

Continue a leitura para mais dicas!

Seu produto precisa chegar ao cliente: o frete

Para entregar o produto ao seu cliente, você pode começar pelos Correios. Mas não use o serviço como pessoa física, pois fica mais caro. Faça um contrato com eles, com exigências mínimas, para que você consiga ter um desconto e um frete diferenciado, podendo oferecer um preço mais baixo ou grátis aos seus clientes.

Saiba como calcular o frete

Você pode usar o site dos correios para fazer uma simulação do custo de uma entrega. Inserindo os CEP de origem e destino, peso da postagem e tipo de serviço do correio (Sedex, PAC, Sedex 10), você terá a simulação do custo desse envio.

Se os valores do frete forem muito altos, uma estratégia é embutir parte do custo do frete no preço do produto, para não assustar o consumidor com um preço de frete muito alto.

Outras opções são as empresas de frete, como a Melhor Envio - serviço que tem conexão com os correios e transportadoras, e te dá acesso a preços diferenciados. Integrando o Melhor Envio ao e-commerce, ele mostra pro cliente as opções e ele pode escolher o frete mais vantajoso no momento da compra.

Outra dica para suas entregas: capriche nas embalagens. Isso faz parte da experiência do cliente e pode gerar um marketing espontâneo em posts nas redes sociais. Por isso, não custa nada mandar uma cartinha personalizada com o nome do cliente agradecendo a compra, ou colocar um embrulho impecável que permita uma boa apresentação do produto. Esses detalhes podem fazer a diferença na sua estratégia de fidelização.

Como cobrar uma venda online? Escolha os meios de pagamento

Conseguir vender online é não ter mais a necessidade de ter uma maquininha de cartão, nem receber dinheiro físico. Os meios de pagamento digitais são muito mais práticos para empreendedores e consumidores.

Hoje, no e-commerce, não dá mais para ter meios de pagamento limitados. O consumidor busca as melhores opções de pagamento para decidir em qual loja vai comprar. Por isso, deixe claro e visível os métodos de pagamento que você aceita no seu negócio, pois essa informação é primordial para ajudar o cliente no fechamento da compra.

Não encontrar o método desejado é um dos motivos por trás das desistências de comprar em determinado site, segundo pesquisa. Então, não perca clientes por falta de flexibilidade e trabalhe com os principais meios de pagamento que o brasileiro está habituado!

  • Cartão de crédito 1x ou parcelado;
  • Boleto bancário;
  • Pix para pagamento instantâneo por QR Code;

Tendo esses meios, você conseguirá atender a maioria das preferências do cliente. Se você não tiver um e-commerce para integrar meios de pagamento, basta utilizar a opção do link de pagamento para enviar cobranças online ao seu cliente.

E usar o link de pagamento é fácil. Basta contratar o serviço em plataformas de pagamento, configurar os valores e enviar o link ao cliente por qualquer canal digital - email, rede social, whatsapp, o que seu negócio utilizar. Dentro deste link o cliente irá escolher a forma de pagamento, se irá parcelar, e concluir o pagamento, que cairá na conta digital da sua empresa.

Você encontrará diversas empresas que oferecem meios de pagamento para negócios, mas opte por aquelas que tem as funcionalidades mais completas, por exemplo: painel de vendas, controle de pagamentos, envio de cobranças e recursos de automação financeira - tudo isso você encontra na iugu!

Fale com nosso time para conhecer nossas ferramentas de pagamento que vão te ajudar a começar a vender online e empreender com toda segurança e praticidade!

Conheça nossos planos