Voltar

FAQ

Quais as formas de pagamento aceitas pelo gateway iugu?

Aceitamos boleto e cartão de crédito nacional (internacional das bandeiras Mastercard, Visa, Amex, Diners e Elo). Cartões de débito não são aceitos por questões de segurança de dados.

Quais são as categorias de negócios aceitas pela iugu?

Aceitamos diversos tipos de negócios, desde que possuam conta jurídica e não estejam classificados na lista de produtos e serviços proibidos.

O que é necessário para começar a usar iugu?

Após o contato com nossos consultores e fechamento de contrato é necessário criar uma conta iugu seguindo nossos requisitos para abertura de contas.

Qual o horário de expediente da iugu?

Nossa plataforma sempre estará no ar, o atendimento ao cliente e os saques de contas ocorrem se segunda a sexta, das 9h30 às 16h30. Entretanto, por dependência de sistemas bancários, os serviços da iugu são interrompidos em feriados. Saiba mais em nossa página de expediente.

Quais são os recursos cobrados pela iugu?

A partir do plano escolhido, os recursos são cobrados em modelo de assinatura e cobranças mensais. Se necessário, somam-se taxas de configuração inicial e tarifas variáveis. Saiba mais sobre as tarifas cobradas clicando aqui.

Em quais moedas a iugu aceita transações?

A iugu aceita transações somente em Real. No caso do uso de cartão de crédito internacional, a cobrança é também é feita em Real e a bandeira do cartão faz o câmbio para a moeda do cliente.

A iugu é homologada pelo Banco Central?

A iugu recebeu a licença do Banco Central que nos autoriza a funcionar como Instituição de Pagamentos. Publicada no Diário Oficial da União no dia 27 de agosto de 2020.

Quais bancos a iugu suporta?

Para receber os pagamentos pela iugu, é preciso possuir uma conta PJ em um dos seguintes bancos: Banco do Brasil, Banco Original, Banestes, Banrisul, Bradesco, BRB, BS2, C6, Caixa Econômica, Inter, Itaú, Mercantil do Brasil,Modal, Neon, Nubank, PagSeguro, Safra, Santander, Sicoob (Bancoob), Sicredi, Unicred e Via Credi.

Posso cancelar a iugu a qualquer momento?

Você deve solicitar o cancelamento da sua conta com 30 (trinta) dias de antecedência.

A plataforma pode ser utilizada por quem não é desenvolvedor?

Sim! Temos um painel facilitado onde é possível realizar a gestão financeira, cobrar seus clientes, controlar as assinaturas e acompanhar o crescimento de sua empresa.

Sua dúvida não está aqui?

Experimente a página de Ajuda e Suporte da iugu.

Voltar

Descomplique processos financeiros com a iugu!

Como funciona o mercado de Marketplace no Brasil?

Entenda o funcionamento do mercado de marketplace no Brasil e suas perspectivas por meio de dados cronológicos e informativos de sua evolução.

Escrito em 11 de Março de 2020 por Renato Ribeiro

Atualizado em 04 de Maio de 2021

É inegável a evolução do mercado de marketplace no Brasil. Afinal, além de relevantes dados indicarem o aquecimento desse modelo, os principais veículos de comunicação noticiam fusões e lucros elevados de várias companhias do Brasil e do mundo com uma certa frequência.

Está sem tempo de ler agora? Que tal ouvir o artigo? Experimente no player abaixo!

No entanto, vale ressaltar, que não são todas as organizações que estão destinadas a conquistarem o seu rótulo de unicórnio em tempo recorde. Isso porque, há inúmeros fatores a se considerar, como estratégia, criatividade, investimentos assertivos, inovação e, é claro, timing. 

Quer entender melhor como está o panorama desse modelo e conhecer dados importantes sobre o mercado de marketplace no Brasil? É só ler este post até o fim!

Mercado de marketplace no Brasil:  sua loja está preparada para tanta visibilidade? 

Antes de conhecer os dados sobre o mercado de marketplace no Brasil, é essencial definir como se baseia este modelo de negócios, já que muitos desconhecem a diferença entre esse segmento e o e-commerce. 

Enquanto um e-commerce se baseia na comercialização de produtos e serviços por meio de um site focado apenas nas vendas de uma só loja virtual, o marketplace conta com uma proposta mais abrangente. 

Ou seja, em um marketplace, as transações se sustentam na mesma plataforma. A diferença, nesse caso, é que, por meio dela, várias lojas podem comercializar seus itens e serviço.

Para tanto, os donos de lojas virtuais têm que se cadastrar na plataforma e registrar seus produtos. Assim, em troca da visibilidade proporcionada pelo marketplace, os vendedores pagam uma taxa relacionada à comissão ou, no caso de um clube de assinatura, realizam um pagamento mensal. 

Uma das grandes vantagens de fazer parte de um marketplace é o alcance que pode ser conquistado. Isso porque, quando um empresário inicia seu negócio virtual, é natural que, no princípio, o número de acessos a seu site não seja relevante. 

Porém, o cenário é outro ao comercializar em um marketplace. Afinal, nessa plataforma de negócios, as visitas de usuários são muito mais frequentes. Dessa forma, a sua loja virtual pode conquistar muito mais visibilidade, um ponto fundamental para impulsionar as vendas. 

Agora que você já ficou a par do contexto desse segmento, continue lendo para conhecer os dados sobre o mercado de marketplace no Brasil. 

Mercado de marketplace no Brasil: inspire-se com as conquistas do grandes players para se tornar um

Confira agora alguns dados valiosos sobre o mercado de marketplace no Brasil. 

1. Início do mercado de marketplace no Brasil

No exterior, o mercado de marketplace começou na década de 1990, com o surgimento da gigante Amazon e do eBay. 

Já no Brasil, esse setor começou a ganhar espaço, de fato, a partir dos primeiros anos do século XXI e acompanhou a evolução da Internet. Desse modo, surgiram as primeiras lojas virtuais, como o Ponto Frio, a Livraria Cultura e a Americanas.com. 

Em seguida, o Submarino abriu seu capital e a Americanas.com adquiriu o Shoptime. Logo, o crescimento ganhou força e surgiu o B2W (conglomerado de empresas de marketplace de fenômenos do setor como a Americanas, o Shoptime e o Submarino). 

Dessa forma, tanto os consumidores como os lojistas brasileiros começaram a entender o conceito e a proposta desse mercado. 

2. Começo da expansão 

O começo da expansão do mercado de marketplace no Brasil aconteceu, de forma significativa, a partir de 2006, quando o comércio eletrônico no país, segundo dados da ABCOMM, registrou um crescimento de 72%. 

Nesse mesmo período, surgiram no cenário nacional, companhias importantes, como as Casas Bahia e o Walmart.com.br, que contribuíram para fomentar o segmento.

Quer conhecer uma lista completa de empresas de marketplace no Brasil? É só clicar aqui! 

3. Desenvolvimento do mercado

Em 2015, a expansão desse modelo de negócios começou o seu processo de desenvolvimento, sendo fortalecido pelo aumento do uso de dispositivos móveis para realizar compras.

mercado de marketplace no brasil

4. Boom do mercado de marketplace no Brasil 

O boom do mercado de marketplace no Brasil é recente e, por assim dizer, atual. Isso porque a grande expansão teve início em 2016 e segue até o momento. 

Em 2017, de acordo com estudo da Precifica, a quantidade de vendedores presente em marketplaces foi de pouco mais de 7.000. 

Mesmo com esse número aparentemente tímido, uma das gigantes brasileiras de marketplace, o Magazine Luiza, conquistou o seu melhor resultado da história, ao registrar um lucro líquido de quase R$ 390 milhões de reais, um aumento de 300% em relação a 2016. 

De acordo com estudo apresentado pela Ebit, foi também em 2017, que marketplaces de produtos usados e novos, como Mercado Livre, Enjoei e Elo7, atingiram um faturamento de quase R$ 74 bilhões, um aumento de quase 22% quando comparado ao ano anterior. 

mercado de marketplace no brasil

5. Amadurecimento do segmento

Em 2018, o boom do mercado aconteceu, pois esse setor obteve um crescimento de quase 91% comparado ao ano anterior. 

Segundo dados da Ebit/Nielson, neste ano, cerca de 10 milhões de novos consumidores se tornaram adeptos às compras online. Logo, o faturamento do comércio eletrônico nesse período atingiu uma marca superior a R$ 50 bilhões. 

Esse número foi impulsionado pelo marketplace. Logo, não foram só os grandes varejistas que ganharam, mas também os pequenos e médios players, que tiveram suas receitas aumentadas. 

Tendências e expectativas do mercado de marketplace no Brasil

Em 2019, o mercado de marketplace no Brasil apresentou um crescimento de 13%, enquanto a média do e-commerce foi de 12%. 

Em relação ao faturamento, o comércio eletrônico do país, como um todo, faturou quase R$ 27 bilhões, enquanto a receita do marketplace, no mesmo período, foi de quase R$ 18 bilhões. 

Nesse contexto, dá para concluir que o marketplace está conquistando cada vez mais simpatizantes e, acompanhando o e-commerce brasileiro, proporcionalmente muito maior. 

Outro dado que sustenta a tendência de crescimento do marketplace brasileiro é que segundo pesquisa realizada pela PwC e UPS, no Brasil, 95% dos consumidores que realizam suas compras dentro do ambiente virtual e fazem isso por meio de um marketplace. Nesse quadro, 44% deles afirmaram que farão mais aquisições nessas plataformas dentro de um ano. 

O cenário parece favorável para o marketplace brasileiro, não é mesmo? Você também acredita nessa boa perspectiva? Compartilhe sua opinião com a gente!

Aproveite também para aperfeiçoar os seus conhecimentos! Você sabe, por exemplo, o que não pode faltar no processo de pagamento de um marketplace? Não? Então, clique aqui e baixe, agora mesmo e gratuitamente, o e-book: “Como aumentar as vendas melhorando a experiência do pagamento de seu cliente”. Boa leitura!