Saiba como o ESG está mudando a cara dos negócios

Do mundo corporativo ao mercado financeiro, as políticas ESG vem causando grandes transformações

Escrito em 06 de Julho de 2022 por Thainara Carvalho

Atualizado em 19 de Julho de 2022

O aprofundamento de catástrofes ambientais e o aumento da parcela socialmente vulnerável da população vem acendendo um alerta vermelho ao redor do mundo. A preocupação se reflete, também, no universo financeiro e corporativo, e a sigla ESG vem atraindo o interesse de investidores e executivos de grandes empresas.

Afinal, cada vez mais, as boas práticas em relação ao meio ambiente e a inclusão social têm sido valorizadas não só por cidadãos, mas também pelo mercado financeiro.

E isso tem um motivo: o termo possui sua gênese no universo financeiro, e tem como objetivo representar uma série de padrões que visam atrair investidores e capital.

Sendo assim, não restam dúvidas de que as práticas ESG prometem ganhar ainda mais espaço no mundo corporativo.

Mas o que é ESG? Qual é a sua importância para os negócios? E qual será o seu impacto nas empresas e investimentos do futuro? 

Para saber as respostas, continue a leitura do conteúdo até o final.

Sem tempo para ler? Dê um play no conteúdo!

O que é ESG?

O termo ESG surgiu a partir da sigla em inglês para Environmental, Social and Corporate Governance ou, em português, ambiental, social e governança corporativa. 

Trata-se da implementação de um conjunto de práticas e políticas focadas em sustentabilidade ambiental, governança e responsabilidade social no universo corporativo e financeiro.

E, como o próprio nome sugere, a agenda ESG procura selecionar empresas e players de mercado que seguem algumas diretrizes, como:

  • Desenvolvimento sustentável e com respeito ao meio ambiente;
  • Relação com o meio social, como as políticas de inclusão, em conjunto a colaboradores e consumidores;
  • Garantia de direitos de acionistas, com normas definidas de compliance e de governança.

Apesar de ser um assunto popular na Europa e Estados Unidos há alguns anos, foi somente em 2021 que a discussão começou a ganhar relevância por aqui. 

De lá para cá, o ESG passou a ser amplamente discutido em diferentes âmbitos, como nos negócios, bancos e investimentos, e se tornou uma grande fonte de interesse para empresas e investidores.

De onde surgiu o ESG?

Como o termo só chegou por aqui no ano passado, é provável que você esteja se perguntando: como surgiu o ESG?

A verdade é que a ideia não é recente. A primeira menção a ESG aconteceu em 2004, em uma publicação do Pacto Global, em parceria com o Banco Mundial, chamada “Who Cares Wins'' (Ganha quem se importa).

O documento surgiu a partir de uma provocação do então secretário-geral da ONU, Kofi Annan, a 50 CEOs de grandes instituições financeiras sobre a integração de fatores sociais, ambientais e de governança no mercado de capitais.

O material mostrava que as empresas que se preocupavam com a conservação do meio ambiente, que participavam e promoviam causas sociais e que garantiam boas práticas de governança tinham melhores resultados. 

Em outras palavras, como o próprio nome do artigo diz, ganha quem se importa com essas práticas.

O impacto do ESG no cenário global de negócios

Devido às grandes mudanças causadas pela pandemia de COVID-19, as empresas e mercados ao redor do mundo têm despertado a consciência sobre questões ligadas à sustentabilidade.

A prova disso é que pelo menos 30 trilhões de dólares em ativos são geridos por fundos que investem seus recursos em empresas com práticas sustentáveis. 

Diante desses dados, as empresas brasileiras também aceleraram ou iniciaram práticas sustentáveis. 

Um estudo feito pela Morningstar a pedido da Capital Reset, mostrou que, no Brasil, os fundos ESG captaram R $2,5 bilhões apenas em 2020, e mais da metade da captação veio de fundos criados nos últimos 12 meses. 

Isso prova que, cada vez mais, investidores têm se preocupado em direcionar recursos a companhias com políticas ESG, e passaram a exigir de forma mais intensa que as empresas atendessem a essas determinações.

Os consumidores, por sua vez, também possuem um forte desejo de consumir ou até mesmo trabalhar em empresas sustentáveis. 

Uma pesquisa feita pela Verizon Media revelou que as questões ambientais, sociais e políticas são os três temas de maior atenção para a Geração Z, que vem buscando, cada vez mais, um propósito e um olhar mais consciente.

No mercado financeiro, os dados da B3 (Brasil, Bolsa, Balcão) mostram que os investimentos socioambientais e de governança corporativa estão ligados a um melhor desempenho financeiro. 

Já o indicador de sustentabilidade subiu mais e teve menor volatilidade do que o Ibovespa – principal índice de referência da bolsa –, desde que foi criado.

Assim, é possível afirmar que uma maior preocupação socioambiental e de governança corporativa tem sido atrelada a melhores resultados financeiros, tanto a longo, quanto a curto prazo, promovendo uma maior longevidade e competitividade de negócios.

Quais são as vantagens do ESG para as empresas?

Até aqui, vimos que os investimentos socioambientais estão ligados a uma melhor performance financeira. A seguir, você confere quais são as outras vantagens do ESG para empresas.

1. Atração de investidores


Os investidores têm se interessado cada vez mais por empresas que possuem políticas ambientais, sociais e de governança. Sendo assim, há uma maior demanda por investimentos em companhias alinhadas à iniciativa ESG.

Além disso, há um nítido aumento de imposições fiscais e regulatórias para companhias que não adotam tais práticas..

2. Competitividade


Ao implementarem políticas ESG, as empresas também ganham em aumento da competitividade. 

Isso é explicado pela mudança do comportamento dos consumidores, que estão preferindo marcas e produtos de empresas que adotam práticas ESG. Dessa forma, os empreendimentos sustentáveis acabam saindo na frente da concorrência.

3. Menor risco


Outra vantagem do ESG para as empresas é o menor potencial de risco para investidores, já que essas companhias sofrem menos penalizações legais e intervenções. 

Além disso, elas são menos suscetíveis a multas ambientais ou processos trabalhistas, pois os colaboradores conseguem estabelecer uma melhor relação com a empresa.

Como adotar práticas ESG no seu negócio?

Para instituir práticas ESG no seu negócio, é possível começar aos poucos. Confira algumas dicas a seguir.

Ambiental

  • Utilizar materiais reciclados no escritório e reduzir a utilização de papel, dando preferência a digitalização dos documentos;
  • Usar energias limpas e renováveis, como, por exemplo, a solar;
  • Dar preferência a fornecedores que adotem boas práticas ambientais;
  • Realizar a destinação correta de resíduos.

Social

  • Garantir que as mulheres consigam conciliar carreira e maternidade, criando políticas favoráveis para que isso ocorra;
  • Promover comunicação aberta e transparente entre colaboradores e líderes;
  • Realizar projetos culturais, ambientais e sociais com a comunidade local;
  • Criar programas para o cuidado com a saúde mental e a manutenção do bem-estar;
  • Promover programas de inclusão e diversidade.

Governança

  • Contar com uma hierarquia bem definida, com cargos, remuneração e funções claras a todos os colaboradores;
  • Instituir políticas para garantir a segurança de dados e informações pessoais;
  • Ser transparente e publicar informações de interesse público.

Use a tecnologia da iugu a favor da sua empresa

Sabemos que a implementação de práticas ESG e outras medidas sustentáveis pode ser um desafio. A boa notícia é que a tecnologia está aí para facilitar o processo.

Afinal, os avanços provocados pela transformação digital nas finanças e nos negócios são essenciais para a digitalização e a otimização do trabalho dos colaboradores, o que se reflete em benefícios sociais e ambientais.

Então, se quiser saber mais como a tecnologia pode ajudar a saúde financeira do seu negócio, baixe gratuitamente o seu Mini Guia de Eficiência Financeira.

imagem mini guia