Voltar

FAQ

Quais as formas de pagamento aceitas pelo gateway iugu?

Aceitamos boleto e cartão de crédito nacional (internacional das bandeiras Mastercard, Visa, Amex, Diners e Elo). Cartões de débito não são aceitos por questões de segurança de dados.

Quais são as categorias de negócios aceitas pela iugu?

Aceitamos diversos tipos de negócios, desde que possuam conta jurídica e não estejam classificados na lista de produtos e serviços proibidos.

O que é necessário para começar a usar iugu?

Após o contato com nossos consultores e fechamento de contrato é necessário criar uma conta iugu seguindo nossos requisitos para abertura de contas.

Qual o horário de expediente da iugu?

Nossa plataforma sempre estará no ar, o atendimento ao cliente e os saques de contas ocorrem se segunda a sexta, das 9h30 às 16h30. Entretanto, por dependência de sistemas bancários, os serviços da iugu são interrompidos em feriados. Saiba mais em nossa página de expediente.

Quais são os recursos cobrados pela iugu?

A partir do plano escolhido, os recursos são cobrados em modelo de assinatura e cobranças mensais. Se necessário, somam-se taxas de configuração inicial e tarifas variáveis. Saiba mais sobre as tarifas cobradas clicando aqui.

Em quais moedas a iugu aceita transações?

A iugu aceita transações somente em Real. No caso do uso de cartão de crédito internacional, a cobrança é também é feita em Real e a bandeira do cartão faz o câmbio para a moeda do cliente.

A iugu é homologada pelo Banco Central?

A iugu recebeu a licença do Banco Central que nos autoriza a funcionar como Instituição de Pagamentos. Publicada no Diário Oficial da União no dia 27 de agosto de 2020.

Quais bancos a iugu suporta?

Para receber os pagamentos pela iugu, é preciso possuir uma conta PJ em um dos seguintes bancos: Banco do Brasil, Banco Original, Banestes, Banrisul, Bradesco, BRB, BS2, C6, Caixa Econômica, Inter, Itaú, Mercantil do Brasil,Modal, Neon, Nubank, PagSeguro, Safra, Santander, Sicoob (Bancoob), Sicredi, Unicred e Via Credi.

Posso cancelar a iugu a qualquer momento?

Você deve solicitar o cancelamento da sua conta com 30 (trinta) dias de antecedência.

A plataforma pode ser utilizada por quem não é desenvolvedor?

Sim! Temos um painel facilitado onde é possível realizar a gestão financeira, cobrar seus clientes, controlar as assinaturas e acompanhar o crescimento de sua empresa.

Sua dúvida não está aqui?

Experimente a página de Ajuda e Suporte da iugu.

Voltar

Descomplique processos financeiros com a iugu!

Comissionamento: como fazer a divisão de valores de forma simples

O split de pagamentos ou divisão de valores, como conhecido, é um processo fundamental nas operações dos marketplaces. Veja mais sobre o tema neste post!

Escrito em 12 de Abril de 2022 por Lidiane Oliveira

Atualizado em 03 de Maio de 2022

Estar no comércio eletrônico já é algo praticamente inevitável atualmente. Com um crescimento ainda maior do que no período pré-pandêmico, o varejo está se tornando cada dia mais online.  

Está sem tempo para ler? Você também pode escutar este conteúdo!

Com isso, o volume de parceiros envolvidos nas transações também aumenta. Se olharmos para o simples ato de pedir comida em um aplicativo, facilmente temos envolvidas pelos menos 4 “entidades”: o app, a operadora de pagamento, o restaurante e o entregador.

Nesse cenário, é comum que novas tecnologias surjam, para trazer praticidade às operações. Uma delas é a divisão de pagamentos.

Neste post você vai ver um pouco mais sobre as tendências do setor e ver que com a tecnologia certa, pode atender todas as necessidades de comissionamento das empresas e também dos seus parceiros. 

Marketplaces em crescimento acelerado

A transformação digital permite que hoje qualquer consumidor possa comprar uma infinidade de coisas pela internet. Sejam produtos ou serviços: a internet é uma vitrine infinita.

Com a pandemia do Coronavírus (COVID-19) o crescimento dos marketplaces foi acelerado. Apenas no Brasil, de 2020 a 2021, houve um crescimento de 208%, na migração de empresas para o mercado digital. 

Esse número foi divulgado no estudo da Mastercard SpendingPulse, pela InfoMoney. A empresa de cartões também traz um dado importante que mostra que, em comparação com um cenário pré-pandemia, as vendas do varejo, na loja e online, cresceram 35,9% ano a ano.

Esse aumento já era esperado e é decorrente da retomada dos negócios presenciais, que voltaram a encarar uma rotina de mais normalidade, após o fim das restrições sanitárias. 

Em contrapartida, o número de vendas virtuais não parece diminuir, seja no modelo B2C (Business to Consumer) ou B2B (Business to Business). O que demonstra que, de fato, os e-commerce e marketplaces seguem em tendência de crescimento.

Para a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm) espera-se que o setor arrecade R$ 169,5 bilhões este ano e que o número de consumidores no comércio eletrônico aumente de 79,8 milhões em 2021 para 83,7 milhões em 2022. Com previsão de aumento também no ticket médio das compras.

A economia de plataforma também fortalece esse cenário

Um livro, publicado no Brasil pela editora HSM, esclarece um movimento importante das relações de negócio, baseado em plataformas digitais. Esse conceito embasa muito as mudanças que estão acontecendo na forma como se consome e se estabelecem relações econômico-financeiras no mercado. 

Em "Plataforma: A Revolução da Estratégia", os autores Geoffrey Parker, Marshall W. Van Alstyne e Sangeet Paul Choudhary, explicam o conceito de plataforma como um negócio que permite interações entre produtores e consumidores. Ao fornecer uma infraestrutura participativa e definir condições de governança para elas, ela fomenta as correspondências entre usuários e propicia a venda de produtos ou serviços. 

As plataformas têm um ecossistema composto basicamente por 4 tipos de atores:

  • Proprietários das plataformas: a plataforma e sua governança são de sua propriedade;
  • Provedores: são a interface das plataformas com os usuários; 
  • Produtores:  disponibilizam seus produtos ou serviços na plataforma; 
  • Consumidores: adquirem/utilizam os produtos ou serviços ofertados.

O objetivo por trás da economia de plataforma, é simplificar tanto a experiência do cliente, quanto a do próprio vendedor, para que o processo de compra online aconteça de uma forma simples e altamente segura

Qualquer semelhança com o marketplace não é mera coincidência!

E além dos marketplaces, quantas outras plataformas, como Spotify, Netflix e outros aplicativos de assinatura que movimentam ecossistemas nos mais diferentes setores de negócio você conhece?

Isso só fortalece os modelos que envolvem diversos parceiros diferentes nas operações.

+ Aproveite para ouvir o podcast: “Economia de Plataforma: caminhos de estratégia e inovação”, do Resenha b2b - Simplificando o universo financeiro.

Banner-Full_Resenha-B2B-_copy (3)

Os principais desafios deste cenário

Claro que o aumento na quantidade de entidades envolvidas em uma transação, também aumenta a complexidade das estruturas dos marketplaces. Com isso, os desafios também aparecem. 

Para aqueles que não contam com tecnologia e soluções completas para automatizar o processo de split de pagamentos, a divisão de valores entres os envolvidos nas transações pode gerar muita dor de cabeça.

Algumas dessas situações são:

  • Dificuldade na gestão das comissões: um problema recorrente é a falta de uma boa gestão na divisão de comissões. As vendas podem acontecer de diversas formas, e as regras de comissionamento também podem ser diferentes em cada operação ou para cada parceiro, o que complica bastante o gerenciamento do comissionamento.
  • Bitributação: a tributação nos marketplaces pode ser um grande pesadelo, principalmente pelo fato de ser bitributado em suas vendas, pagando impostos sobre recebimentos dos parceiros. A complexidade e o volume de transações podem gerar essa situação.
  • Baixa confiabilidade na divisão de valores: as regras de comissionamento podem ser específicas para cada operação. Assim como ser diferentes para cada um dos parceiros envolvidos nelas. Um controle pouco automatizado acaba abrindo brechas para divisão de valores incorreta, o que impacta na confiabilidade junto aos parceiros.
  • Falta de segurança: com controles manuais ou pouco automatizados, gerir as vendas e a divisão dos valores entre os envolvidos abre margem para erros. E dificulta também que as práticas e recomendações estipuladas pelo Banco Central sejam seguidas.

Por outro lado, com uma solução tecnológica moderna e especializada, esses desafios ficam no passado,é possível acompanhar o movimento do mercado e promover o crescimento dos negócios.

Benefícios da tecnologia para split de pagamentos

Muito além da divisão de valores a tecnologia, pode trazer uma grande otimização à experiência de compra do cliente. Os 5 benefícios abaixo, reforçam exatamente essa questão. 

1. Aumento de vendas

Com um checkout rápido e único, o cliente pode pagar várias compras de uma só vez. O sistema garante que a comissão no marketplace vai ser distribuída de forma correta aos vendedores;

2. Transações transparentes

 O processo ocorre com total transparência e todos os envolvidos podem acompanhar em detalhes todo o processo de venda. Isso permite aos vendedores, que possam gerenciar o estoque com mais precisão

3. Pagamentos automatizados

 A plataforma de automação financeira é a responsável por identificar o vendedor de cada compra e fazer a divisão de valores automaticamente. O vendedor não precisa ter nenhum contato com o cliente final. 

4. Pedidos organizados

Não há nenhum risco de o split se equivocar nos cálculos pelo fato de haver muitas variáveis e nem há o risco de o vendedor desconhecer o processo da venda. Tudo pode ser checado no histórico de negociações. 

5.Credibilidade da empresa

 Com uma estrutura transparente, ágil e eficiente, é natural que a empresa passe a ganhar muito mais credibilidade dos clientes e com isso, alcance muito mais destaque no mercado.   

Split de pagamentos que é destaque

A iugu está no mercado da economia de plataforma e conta com uma solução de split de pagamentos disponível para todos os negócios que precisam de uma ferramenta robusta e simplificada em suas rotinas de comissionamento. Sejam elas para serviços, para e-commerce ou para qualquer outro segmento que necessite fazer divisão de valores de uma forma simples e segura. 

O software garante uma série de diferenciais, que fazem dele um grande destaque no mercado em que atua:

Gestão de clientes

 Você escolhe tudo o que ficará visível para os participantes do processo de compra, do comerciante ao comprador. 

Divisão de valores entre contas

 É possível realizar transferências entre contas iugu ou então, enviar para contas bancárias. Tudo de forma automatizada. 

Elimine a bitributação

 Esqueça os pagamentos de impostos sobre os recebimentos que não são do seu negócio. Com o Split de Pagamentos da iugu você evita a dupla tributação em cima dos valores que tem a receber e a repassar. O tributo é pago somente sobre a sua parte, e não sobre o total da transação.

Segurança em API

Você pode criar contas para os vendedores e interagir com eles por meio da interface limpa do sistema. Os processos de execução garantem uma navegação segura para todos os envolvidos. 

As novas tecnologias já estão mudando a forma com que as pessoas fazem compras online e a tendência é clara, haverá uma expansão no uso dessas ferramentas. Caberá aos marketplaces se prepararem para fornecerem serviços cada vez mais práticos, seguros, automatizados e lucrativos, com uma administração focada em ecossistemas de vendas e serviços. 

Quer saber mais sobre como otimizar a gestão e as vendas do seu marketplace, além de fazer uma divisão de valores simples para os seus parceiros? Então confira o Super Kit que preparamos para você!