Voltar

FAQ

Quais as formas de pagamento aceitas pelo gateway iugu?

Aceitamos boleto e cartão de crédito nacional (internacional das bandeiras Mastercard, Visa, Amex, Diners e Elo). Cartões de débito não são aceitos por questões de segurança de dados.

Quais são as categorias de negócios aceitas pela iugu?

Aceitamos diversos tipos de negócios, desde que possuam conta jurídica e não estejam classificados na lista de produtos e serviços proibidos.

O que é necessário para começar a usar iugu?

Após o contato com nossos consultores e fechamento de contrato é necessário criar uma conta iugu seguindo nossos requisitos para abertura de contas.

Qual o horário de expediente da iugu?

Nossa plataforma sempre estará no ar, o atendimento ao cliente e os saques de contas ocorrem se segunda a sexta, das 9h30 às 16h30. Entretanto, por dependência de sistemas bancários, os serviços da iugu são interrompidos em feriados. Saiba mais em nossa página de expediente.

Quais são os recursos cobrados pela iugu?

A partir do plano escolhido, os recursos são cobrados em modelo de assinatura e cobranças mensais. Se necessário, somam-se taxas de configuração inicial e tarifas variáveis. Saiba mais sobre as tarifas cobradas clicando aqui.

Em quais moedas a iugu aceita transações?

A iugu aceita transações somente em Real. No caso do uso de cartão de crédito internacional, a cobrança é também é feita em Real e a bandeira do cartão faz o câmbio para a moeda do cliente.

A iugu é homologada pelo Banco Central?

A iugu recebeu a licença do Banco Central que nos autoriza a funcionar como Instituição de Pagamentos. Publicada no Diário Oficial da União no dia 27 de agosto de 2020.

Quais bancos a iugu suporta?

Para receber os pagamentos pela iugu, é preciso possuir uma conta PJ em um dos seguintes bancos: Banco do Brasil, Banco Original, Banestes, Banrisul, Bradesco, BRB, BS2, C6, Caixa Econômica, Inter, Itaú, Mercantil do Brasil,Modal, Neon, Nubank, PagSeguro, Safra, Santander, Sicoob (Bancoob), Sicredi, Unicred e Via Credi.

Posso cancelar a iugu a qualquer momento?

Você deve solicitar o cancelamento da sua conta com 30 (trinta) dias de antecedência.

A plataforma pode ser utilizada por quem não é desenvolvedor?

Sim! Temos um painel facilitado onde é possível realizar a gestão financeira, cobrar seus clientes, controlar as assinaturas e acompanhar o crescimento de sua empresa.

Sua dúvida não está aqui?

Experimente a página de Ajuda e Suporte da iugu.

Voltar

Descomplique processos financeiros com a iugu!

Banking as a Service (BAAS): qual a melhor forma de oferecer serviços financeiros?

O Banking as a Service (BaaS) vem revolucionando o mercado financeiro digital. Acesse o artigo e saiba tudo sobre BaaS.

Escrito em 18 de Maio de 2021 por Patrick Negri

Atualizado em 02 de Junho de 2022

Você já imaginou a possibilidade de ter o seu próprio banco? O universo corporativo oferece cada dia mais soluções em formatos nunca antes pensados e cada vez mais práticos. Em meio a esse contexto, o Banking as a Service, também conhecido como BaaS, surge para garantir maior comodidade e agilidade nos serviços. 

Quer saber mais sobre o assunto? Então, continue aqui e acompanhe mais detalhes!

O que é Banking as a Service?

O termo BaaS (Banking as a Service) é usado para designar a tecnologia bancária vendida para empresas customizarem e disponibilizarem aos clientes na forma de serviços financeiros próprios da marca.

Na prática, o BaaS permite às empresas a gestão de um banco próprio e a oferta de produtos financeiros para seus clientes, como cartões, contas digitais e outros tipos que veremos ao longo deste post.

Trata-se de um sistema que tem tudo para se tornar a solução ideal em termos de serviços financeiros digitais para organizações que desejam atender melhor seus clientes, colaboradores, canais de contato, etc. Isso tudo sem precisar operar como instituição bancária. 

E por que utilizar um BaaS?

Os consumidores de hoje procuram por mais conveniência, transparência e disponibilidade o tempo todo. São cada dia mais autônomos, gostam de maior controle e demonstram mais resistência às limitações de horário de funcionamento dos serviços.

Atualmente, organizações de variados segmentos e fintechs já estão aptas a oferecer uma gama de serviços ao mercado com o auxílio do Banking as a Service. Antes, diversos serviços eram exclusivos das instituições financeiras e bancos, como o cartão pré-pago, cartão de crédito, conta de pagamento, depósito, saque, pagamento de contas, transferência e outros.

Essa solução, portanto, permite que qualquer instituição mantenha seu banco e ofereça seus serviços aos clientes. Assim, quem contrata o BaaS passa a dispor de um banco a seu serviço com muitas facilidades, como:

  • Redução de burocracia, muito comum em bancos tradicionais;
  • Controle de entradas e saídas de clientes;
  • Personalização e automatização do setor financeiro da companhia, além de outros fatores favoráveis.

Dispor de produtos do tipo “as a service” - pagos de acordo com o uso – é uma tendência crescente entre os usuários que buscam diferenciação e personalização. Hoje, produtos de qualidade a preços competitivos já não bastam. É fundamental também oferecer experiências ágeis, envolventes e diferenciadas. 

Mais vantagens em relação aos bancos tradicionais

Com o Banking as a Service, sua empresa pode oferecer soluções financeiras e prestação de serviços da maneira que os usuários preferirem e, ainda, entregar a flexibilidade e a praticidade que um banco tradicional não consegue oferecer. Além disso, há a vantagem de ofertar uma ampla gama de serviços, sem excesso de esforços operacionais.

Dentro desse entendimento, as soluções tendem a ser mais alinhadas com as expectativas e necessidades dos clientes, sem falar que o crescimento do BaaS propicia o oferecimento de serviços financeiros por qualquer empresa, ainda que elas não operem como instituições bancárias.

Sendo assim, os já corriqueiros cartões de crédito, de débito, depósitos, contas de pagamento, transferências e boletos já deixaram de ser exclusividade dos bancos tradicionais. Aliás, muitas das empresas conhecidas por “bancos digitais” são fintechs, entre elas o Nubank e a Neon.

Por isso, caso a sua empresa queira disponibilizar serviços financeiros de uma forma que os clientes gostam de consumir, sem precisar bancar toda a energia necessária para operar, o BaaS é a opção que você procura.

Como funciona na prática?

Por meio de uma plataforma Banking as a Service, toda a cadeia de pagamentos de uma organização pode ser desenvolvida e gerenciada sem a participação de nenhum banco nesse processo. Assim sendo, torna-se necessário estabelecer e manter um relacionamento com a adquirente contratada e com as bandeiras escolhidas.

A partir desse ponto, os clientes passam a ter um cartão personalizado, portando a identidade da sua marca. Assim, ficam aptos a fazer as transações digitalmente, por intermédio de um aplicativo e, ainda, preservando a sua empresa de realizar uma sequência de atribuições complexas pertinentes ao envolvimento com bancos.

Enquanto estratégia de negócio, toda empresa que escolhe uma conta digital com natureza bancária é capaz de fornecer ao cliente uma experiência totalmente diferenciada e personalizada. E não fica apenas nisso. O relacionamento com o consumidor aprimora-se, o portfólio se expande e o alinhamento com o comportamento de consumo dos clientes se estabelece ao longo do tempo.

Principais exemplos de empresas que usam o BaaS

São diversas as empresas já adeptas ao Banking as a Service e que estão em nosso dia a dia. Selecionamos algumas para exemplificar e mostrar como esse mercado está.

iFood

A empresa de delivery é líder no seu segmento, por isso, foi importante encontrar soluções para gerenciar todo o seu fluxo financeiro, além de oferecer múltiplos meios de pagamento - desde maquininha de cartão, até iFood Movile Pay. Recentemente, a empresa afirmou que já é possível realizar pagamentos através do Pix.

Magazine Luiza

Buscando oferecer serviços financeiros aos seus clientes e vendedores do marketplace, a Magalu Pagamentos foi criada em 2018. Com isso, clientes finais puderam ter uma carteira digital, facilitando o pagamento por meio do QR Code, por exemplo.

Agora, a empresa também ofertará pagamentos via Pix, para pessoas jurídicas, assim como TED e DOC, cartão pré-pago, entre outros serviços financeiros. Já para pessoas físicas, será possível fazer depósitos e saques, através do MagaluPay.

Via Varejo

Muitas mudanças internas vêm acontecendo com a empresa, não só para posicionamento da marca no mercado, mas também para melhorar a experiência de compra de seus consumidores, oferecendo mais segurança nas transações.

A Via, desde 2018, já vinha pensando melhor sobre soluções em meios de pagamento, ofertando carteira digital através de aplicativo, transferência de dinheiro para outros usuários, pagamentos de contas e serviços, recarga de cartões de transporte público, entre outros serviços financeiros.

Mais recentemente, anunciou a chegada do banco digital da empresa, o banQi, com o objetivo de atingir mais pessoas, dessa forma, o banco tem uma conta digital que possibilita o pagamento de boletos e carnê digital, além de transferências e recarga de celular e bilhete único.

 

Qual é a diferença entre BaaS e bancos digitais?

Agora que você sabe o que é um banking as a service, entenda um pouco mais sobre as diferenças do BaaS para um banco digital.

1. Bancos digitais

Será que as pessoas sabem o que realmente é um banco digital? Essas empresas popularizaram rapidamente, afinal, seu approach tecnológico veio muito bem a calhar nessa era de transformação digital. Esses bancos, então, se tornaram aliados poderosos de quem procura, antes de tudo, agilidade e praticidade no dia a dia das transações bancárias, sem falar nas isenções de taxas e custos bem menores.

Nesse sentido, podemos denominar como banco digital as instituições que não estão obrigadas a oferecer nenhuma espécie de atendimento presencial. Isso já começa com a abertura da conta e passa pelas solicitações de empréstimo e cartões. Tudo se passa no ambiente virtual.

A democratização da web, juntamente com a comprovação de muitos negócios online dando certo, fez com que as sobrecargas das tarefas diárias levassem as pessoas a se renderem às facilidades e à simplicidade dos serviços ofertados pelos bancos digitais. Isso influenciou grande parte da população a lançar um olhar diferente e mais amistoso para esse novo formato. 

Agora, já podemos encontrar uma ampla gama dessas empresas no ambiente virtual. Ao aderir a esses serviços, as pessoas se livram das filas demoradas para resolver qualquer questão financeira, além de poderem contar com os serviços que precisam durante 24 horas por dia.

No formato digital banking, os usuários recebem diversos benefícios, como uso da conta sem pagar tarifas até cartões de crédito isentos de anuidade. Outros serviços incluem investimentos, seguros, empréstimos, consórcios e tudo com tarifas bem menores que as praticadas pelos bancos tradicionais.

2. BaaS – Banking as a Service

Essa modalidade, ao contrário dos bancos digitais, não é ofertada ao consumidor final, que é pessoa física. O BaaS é um produto ofertado às empresas para que elas disponibilizem serviços financeiros aos clientes, como uma maneira de agregar valor ao negócio ou para manter mais uma fonte de receita. 

É uma boa opção para quando uma empresa do varejo, por exemplo, quer facilitar os pagamentos de seus clientes e colaboradores. Dessa forma, poderá realizar esse serviço entre as contas de pagamento em uma plataforma de BaaS.

Por outro lado, o banco digital é simplesmente uma alternativa de instituição financeira, que possibilita experiências de consumo de serviços financeiros via internet. O Nubank, por exemplo, oferece seus serviços diretamente aos clientes, por isso, pode ser designado como banco digital. 

Como ter um BaaS?

Teoricamente, qualquer empresa, de qualquer setor, posicionada como B2B, B2C e B2B2B2C, etc, pode ter os serviços de um BaaS. Na hora de colocar em prática, é preciso apenas entender qual é a necessidade do seu negócio antes de aderir a essa inovação tecnológica.

É preciso dar atenção a esse aspecto, uma vez que o desenvolvimento e a implementação dessa tecnologia exige um esforço da liderança e de todos os setores envolvidos direta e indiretamente com a gestão das finanças.

Nesse ponto, vale apresentar e conceituar “Embedded Finance” (finanças embutidas) que, basicamente, é a capacidade de distribuir soluções financeiras a empresas que não atuam necessariamente no setor financeiro. Mas, seu objetivo é abrir portas para que elas atuem nesse segmento e ofereçam serviços e produtos financeiros a seus usuários e clientes. É o que acontece com o BaaS.

Então, para aderir a algum serviço provisionado por um BaaS, inicialmente é necessário pesquisar e analisar as soluções disponíveis no mercado. Se você quiser simplificar seus processos, dê prioridade àquelas que facilitem a transferência das informações e, ainda, ofereçam aplicativos que atendam às necessidades de UX (Experiência do Usuário). 

Busque também os que oferecem a documentação de API (Interface de Programação de Aplicação) mais facilitada. Isso ajudará muito seu time de desenvolvimento durante a implantação.

Depois de escolher o provedor da tecnologia, integre o BaaS ao sistema financeiro da sua companhia por meio da API que o serviço disponibiliza. É por intermédio dessa integração que os serviços contratados ficarão acessíveis para serem usados pelos clientes e a sua empresa.

Muitas vezes, uma API de pagamentos como a que é oferecida pela iugu já é suficiente para gerenciar recebíveis. Isso porque nossas APIs facilitam a disponibilização de meios de pagamentos diversificados e páginas de checkout totalmente personalizáveis de acordo com as regras das empresas.  

Entendeu o que é Banking as a Service e quer se aprofundar um pouco mais no assunto? 

Então, baixe nosso e-book gratuito e exclusivo sobre Banking as a Service e aproveite!