Voltar

FAQ

Quais as formas de pagamento aceitas pelo gateway iugu?

Aceitamos boleto e cartão de crédito nacional (internacional das bandeiras Mastercard, Visa, Amex, Diners e Elo). Cartões de débito não são aceitos por questões de segurança de dados.

Quais são as categorias de negócios aceitas pela iugu?

Aceitamos diversos tipos de negócios, desde que possuam conta jurídica e não estejam classificados na lista de produtos e serviços proibidos.

O que é necessário para começar a usar iugu?

Após o contato com nossos consultores e fechamento de contrato é necessário criar uma conta iugu seguindo nossos requisitos para abertura de contas.

Qual o horário de expediente da iugu?

Nossa plataforma sempre estará no ar, o atendimento ao cliente e os saques de contas ocorrem se segunda a sexta, das 9h30 às 16h30. Entretanto, por dependência de sistemas bancários, os serviços da iugu são interrompidos em feriados. Saiba mais em nossa página de expediente.

Quais são os recursos cobrados pela iugu?

A partir do plano escolhido, os recursos são cobrados em modelo de assinatura e cobranças mensais. Se necessário, somam-se taxas de configuração inicial e tarifas variáveis. Saiba mais sobre as tarifas cobradas clicando aqui.

Em quais moedas a iugu aceita transações?

A iugu aceita transações somente em Real. No caso do uso de cartão de crédito internacional, a cobrança é também é feita em Real e a bandeira do cartão faz o câmbio para a moeda do cliente.

A iugu é homologada pelo Banco Central?

A iugu recebeu a licença do Banco Central que nos autoriza a funcionar como Instituição de Pagamentos. Publicada no Diário Oficial da União no dia 27 de agosto de 2020.

Quais bancos a iugu suporta?

Para receber os pagamentos pela iugu, é preciso possuir uma conta PJ em um dos seguintes bancos: Banco do Brasil, Banco Original, Banestes, Banrisul, Bradesco, BRB, BS2, C6, Caixa Econômica, Inter, Itaú, Mercantil do Brasil,Modal, Neon, Nubank, PagSeguro, Safra, Santander, Sicoob (Bancoob), Sicredi, Unicred e Via Credi.

Posso cancelar a iugu a qualquer momento?

Você deve solicitar o cancelamento da sua conta com 30 (trinta) dias de antecedência.

A plataforma pode ser utilizada por quem não é desenvolvedor?

Sim! Temos um painel facilitado onde é possível realizar a gestão financeira, cobrar seus clientes, controlar as assinaturas e acompanhar o crescimento de sua empresa.

Sua dúvida não está aqui?

Experimente a página de Ajuda e Suporte da iugu.

Voltar

Descomplique processos financeiros com a iugu!

Real Digital: tudo o que você precisa saber

Conheça o Real Digital, a nova versão do seu dinheiro que tem tudo para entrar em cena nos próximos anos e mudar a forma como pagamos e recebemos.

Escrito em 22 de Fevereiro de 2022 por Redação iugu

Atualizado em 22 de Março de 2022

Temos falado bastante sobre as moedas digitais e criptomoedas, que já representam muito mais do que um simples investimento. As criptomoedas, hoje, são consideradas novos recursos e possuem funcionalidades aplicáveis no nosso cotidiano.

Está sem tempo de ler? Dê o play e escute este conteúdo!

 

O surgimento das criptomoedas, embora diferente em sua ideologia (finanças descentralizadas), incentivou diversos governos a criar suas próprias moedas digitais.

Um exemplo disso é o fato de países como Bahamas, Camboja e China, já terem lançado oficialmente suas próprias moedas digitais: Sand Dollar, Bakong e Yuan Digital, respectivamente, mostrando o caminho para os Bancos Centrais de outros países, como o Brasil, que já estuda o Real Digital.

Mas vamos saber mais sobre essa novidade e como ela pode impactar o nosso dia a dia.

Como surgiu a ideia do Real Digital?

Assim como muitos países, o Banco Central do Brasil também acredita que as CBDCs (Central Bank Digital Currency) possuem o potencial de melhorar a eficiência do mercado de pagamentos e de promover a competição e a inclusão financeira para a população - ainda mal atendida por serviços bancários.

Essa ideia surgiu em meados de 2020, quando o BC organizou um grupo de trabalho com o objetivo de realizar estudos sobre a emissão de uma moeda digital.

O grupo, composto por diversos representantes de todas as áreas do BC, determinou o estabelecimento de um fórum regular para a discussão do tema.

A partir dessa fórum surgiram:

  • A publicação das diretrizes do Real Digital em maio de 2021;
  • A realização de uma série de webinars para discutir com a sociedade as potenciais aplicações do Real Digital;
  • O Lift Challenge Real Digital (Laboratório de Inovações Financeiras e Tecnológicas - Fenasbac e Banco Central do Brasil), que reúne participantes do mercado interessados em desenvolver um produto minimamente viável (MVP).

Assim, a ideia começou a tomar forma e pudemos vê-la se tornando cada vez mais tangível.

Qual o objetivo da criação do Real Digital?

O objetivo de todas essas frentes criadas pelo BC é criar um Produto Minimamente Viável (MVP) para o desenvolvimento da ideia e projetar o uso do Real Digital, que será subsequentemente utilizado em benefício do Sistema Financeiro Nacional.

Esse formato, "aberto ao público", possibilita que pessoas jurídicas e empresas submetam propostas de projetos com funcionalidades práticas, seguras e capazes de interagir com outros meios de pagamento já existentes, de maneira voluntária e democrática.

Entre os diversos requisitos esperados, os avaliadores destacam os recursos de pagamentos inteligentes, tais como:

  • Entrega contra Pagamento (DvP) para ativos digitais, que protege os participantes de uma transação de eventuais falhas em ambientes digitais ou "tokenizados";
  • Pagamento contra Pagamento (PvP), tratando especificamente do câmbio entre moedas, da Internet das coisas (IoT) e da resolução tradicional de transações;
  • Finanças descentralizadas (DeFi) que utilizarão o Real Digital como base, além de estar em conformidade com as normas nacionais de supervisão;

Além disso, também há preferência para outros fatores, como:

  • Soluções de pagamento no formato offline, dispensando o uso de Internet;
  • Capacidade de interoperabilidade com outros sistemas de pagamentos, seja para transações de varejo ou atacado;
  • Capacidade de escalabilidade;
  • Segurança e privacidade dos dados utilizados pela solução, conforme solicita a legislação vigente.

O prazo para envio dos projetos se encerrou em fevereiro e as propostas selecionadas pelo Banco Central e pela Fenasbac serão divulgadas no dia 4 de março de 2022. Estas propostas entrarão no processo de aceleração ainda no dia 28 do mesmo mês, que deve durar até julho de 2022.

Ao fim desta etapa, os resultados serão divulgados e apresentados aos bancos, fintechs e instituições de pagamento.

Qual a diferença entre o Real Digital e o Bitcoin e outras criptomoedas?

Apesar de, provavelmente, contar com a tecnologia do blockchain, o Real Digital se difere do Bitcoin e de outras criptomoedas, pelo fato de ser uma moeda digital centralizada e auditada pelo governo, característica oposta das criptos.

Além disso, a questão preço também se difere, uma vez que será inteiramente lastreado à sua versão tradicional, com "baixa volatilidade".

Em entrevista à CNN, o Banco Central afirmou que “o real digital é uma expressão da moeda soberana brasileira, que está sendo desenvolvida para dar suporte a um ambiente seguro onde empreendedores possam inovar e onde os consumidores possam ter acesso às vantagens tecnológicas trazidas por essas novas ferramentas, sem que para isso precisem se expor a um ambiente financeiro não regulado”.

Como o Real Digital funcionará e quais seus benefícios?

Com a implementação do Real Digital, a ideia é que os brasileiros tenham uma carteira digital em custódia de um agente autorizado pelo BC — banco ou instituição de pagamento.

A moeda digital poderá ser convertida em outras formas de pagamento hoje disponíveis — como depósito bancário convencional ou em real físico.

Com a carteira digital, será possível realizar transações através de “contratos inteligentes” digitais. Isso significa que uma pessoa que tiver interesse em comprar o carro de um terceiro, por exemplo, poderá elaborar um contrato digital e alocar os valores do Real Digital.

No entanto, para a segurança da transação, o dinheiro permanecerá parado até a transferência ser concluída, quando os documentos do veículo estiverem em posse do novo dono e a situação estiver regularizada no Detran, por exemplo.

Essa independência de bancos e outras instituições seria uma das principais vantagens do Real Digital, bastando um aplicativo para realizar transações e ter tudo documentado em um blockchain super seguro.

Todas as funcionalidades são ainda bastante especulativas, mas em breve, com a aprovação dos projetos, poderemos saber mais sobre elas!

Ansioso para a chegada dessa novidade?

Se você gosta de estar por dentro das inovações, principalmente as que podem alavancar o sucesso da sua empresa, baixe nosso Kit de Inovação Financeira!

banner_inovação-1