API gateway: o que é e qual a sua função?

Escrito em 24 de Junho de 2021 por Patrick Negri

Atualizado em 24 de Agosto de 2023

Nos últimos anos, testemuhamos a chegada da transformação digital e novas tendências de tecnologia como, por exemplo, o API gateway e o API management.  Além de impactos em diferentes setores da sociedade, elas também alteraram completamente o panorama dos negócios. 

Para se ter uma ideia, um estudo da BMI realizado com mais de 3.800 executivos C-Level em 20 países, revelou que seis em cada dez empresas aceleraram projetos de digitalização.

Além disso, 51% dos executivos vão priorizar projetos desse tipo nos próximos dois anos. Esse avanço abrange todos os setores das empresas, sendo o segmento de soluções financeiras um dos principais beneficiados. 

Hoje, muitos serviços financeiros e contábeis já podem ser feitos de forma online e automatizada, por meio de plataformas digitais, sites e aplicativos.

A transformação digital também abriu espaço para novas empresas, que conectam tecnologia e operações financeiras, para que pudessem entrar no mercado e lançar ferramentas otimizadas e inovadoras.  

Nesse contexto, as APIs surgiram como uma novidade que permitiu revolucionar ainda mais o segmento financeiro e de pagamentos.

Isso porque elas possibilitam o diálogo entre diferentes plataformas e sistemas tecnológicos, o que resulta na criação de inúmeras soluções digitais, como é o caso dos apps, softwares e programas) para solucionar as demandas do mercado. 

Neste artigo, vamos explicar o que é API Gateway, qual é a sua função e quais são os benefícios de usar esse recurso.

Acompanhe a leitura até o final e entenda mais sobre o assunto! 

Qual é a finalidade de uma API?

API é uma sigla para Application Programming Interface, ou, em português, Interface de Programação de Aplicação, e trata-se de um conjunto de padrões e normas de programação que proporcionam o acesso a um determinado sistema. 

Por meio das APIs, é possível que sistemas diferentes se comuniquem e se integrem, pois ela funciona como uma ponte entre softwares distintos.

Com isso, desenvolvedores e empresas conseguem criar um novo aplicativo ou plataforma que se comunique de forma integrada com um sistema que já existe. 

Por exemplo: os aplicativos de celular que utilizam o serviço de mapas do Google Maps fazem isso por meio da API liberada pelo Google. O mesmo acontece quando um usuário do Instagram compartilha uma música do Spotify em seus stories. Isso é feito através da integração dos apps via APIs. 

Dessa forma, quando uma empresa decide permitir que outros desenvolvedores possam criar produtos e soluções integrados com a sua marca, ela passa a publicar a sua API. 

O que é o API Gateway?

O nome desse recurso já antecipa a sua funcionalidade: em português, gateway quer dizer portão ou passagem de entrada e saída.

Isso porque o Gateway de API é uma espécie de filtro de entrada, que direciona os dados e chamadas ao local mais adequado.

Na prática, essas APIs  podem ter as seguintes funções:

  • Filtrar o tráfego das chamadas quando ocorre a integração dos diferentes meios, como web, sistemas cloud, mobile, entre outros, podendo redirecionar o chamado à API para o local correto;
  • Atuar como porta de entrada única para as APIs e os seus usuários;
  • Roteador, em que o sistema atua como um roteador de tráfego das APIs e de Rate Limit;
  • Mecanismo de segurança, em que o API Gateway garante proteção por meio da autenticação de usuário, limitação de conexões e log de acesso (baseado em premissas como números de requisições no mês ou nos últimos segundos).

Essas funcionalidades podem ser bastante vantajosas para as empresas, já que facilitam o seu controle, ao limitar o acesso aos seus serviços na web a um único ponto (porta de entrada). Com isso, o foco dos esforços fica em apenas um local.  

Outro ponto importante é que a API principal acaba tendo a sua complexidade reduzida, já que a função de controle de acesso é totalmente concentrada no API Gateway.

Assim, é possível inclusive reduzir os custos, uma vez que mantê-las no ar torna-se muito mais simples, abrindo espaço até mesmo para reinvestir em novas APIs

Dessa forma, podemos dizer que o objetivo principal dessa ferramenta é tirar essa dificuldade burocrática de roteamento e afins do core do seu projeto.

O termo é, por vezes, confundido com um serviço da Amazon Web Services, o "Amazon API Gateway". Porém, esse é apenas um dos produtos nesse mercado.

A funcionalidade do API Gateway, como um todo, designa ferramentas que cumprem esse papel de porta de entrada/roteador. No entanto, o conceito não pertence a uma só empresa específica.

No mercado, existe uma ampla variedade de soluções de API Gateway, entre opções pagas, open source, em nuvem ou self hosted. Entre as principais, podemos citar o próprio Amazon API Gateway, Kong, KrakenD, IBM® Cloud API Gateway e Tyk.

API Gateway ou API Manager: qual é a diferença?

O API Manager (por vezes também chamado de API Management) é uma solução que engloba um maior número de funcionalidades em comparação ao API Gateway, pois vai além dos filtros de segurança e direcionamentos dele. 

Podemos dizer que o API Manager implementa algo mais próximo de um sistema de gestão sobre o API Gateway (ou até mesmo o incorpora em sua estrutura). 

Dessa forma, a tecnologia inclui recursos que auxiliam no processo de desenvolvimento e publicação de outras APIs, como um sistema de controle, reforçando as políticas de uso, gerenciando o ciclo de vida da API e fazendo a coleta e análise de estatísticas de uso.

O API Manager também é bastante útil para gerar insights corporativos das APIs por meio de dashboards e possibilitar a monetização das APIs.

Os componentes desta solução podem variar de acordo com cada API Manager, mas em geral incluem:

  • Gateway: servidor que atua como porta de entrada da API;
  • Ferramentas de publicação com itens que os provedores utilizam para definir especificações, gerenciar políticas de acesso, testar execuções, etc.;
  • Portal do desenvolvedor em que o provedor API pode agrupar informações como documentos, códigos, tutoriais, entre outros;
  • Relatórios e análises para monitorar o uso e as cargas das APIs, verificar os logs de transações para detectar tendências de uso e otimizar as atividades;
  • Monetização podem ser feitas cobranças pelo acesso a APIs comerciais, usando o sistema para configurar preços e emitir faturas, entre outras atividades da área financeira ou contábil.

Ou seja, na prática, o API Manager é um sistema mais abrangente que o API Gateway, já que engloba todas as funções deste (filtro de acesso e redirecionamento do tráfego de terceiros), além de suas funcionalidades específicas. 

A função do gateway no gerenciamento da API

Um gateway de API é parte integrante do sistema de gerenciamento de uma API. Assim, essa ferramenta intercepta todas as solicitações de entrada que chegam para que sejam encaminhadas por esse sistema, o qual processa as diversas funções.

As aplicações exatas  variam de acordo com cada implementação. Mas, em geral, englobam funções como roteamento, autenticação, limitação de taxa de entrada, monitoramento e análise, filtragem, faturamento, e alertas de segurança.

Por que usar um gateway de API?

Implementar um sistema API Gateway na sua empresa pode trazer uma série de benefícios. Confira os principais:

1. Único ponto de entrada no sistema‍

O API Gateway altera a arquitetura interna do sistema para que cada cliente tenha uma API personalizada de acesso, além de desempenhar outras responsabilidades do dia a dia nesse processo, como autenticação, monitoramento, armazenamento em cache, e gerenciamento de solicitações.

2. Camada adicional de segurança 

Os gateways de API ajudam a proteger o sistema de ataques maliciosos, já que criam uma camada adicional de proteção contra vetores de ataques digitais por meio de uma buffer zone. Assim, essa ferramenta possibilita que a aplicação fique mais focada no negócio.

3. Simplicidade e transparência para o consumidor final

O usuário das aplicações passa a usufruir de um front-end único, deixando a execução das operações mais simples e intuitivas. Além disso, com o recurso, os desenvolvedores podem trabalhar mais a User Experience final. 

4. Evitar expor questões internas a clientes externos

O gateway de API atua na separação das APIs públicas externas das APIs de microsserviços interno. Assim, é possível refatorar e dimensionar esses produtos ao longo do tempo, sem que isso afete, de forma negativa, os clientes externos. 

Além disso, ele oculta detalhes de descoberta e versão de serviço do usuário, já que abre um único ponto de entrada para todos os microsserviços.

5. Separação de camada de aplicação

Essa funcionalidade permite separar as camadas APIs e os microsserviços implementados, fazendo com que os usuários utilizem apenas o que for realmente útil para eles em uma aplicação.

6. Melhoria nos desenvolvimentos

A separação das camadas também proporciona uma melhoria nos processos de desenvolvimento, de forma que os objetivos sejam cumpridos e atendam às demandas dos usuários.

Na prática, uma funcionalidade pouco utilizada na rotina empresarial e que apresenta poucos chamados vai demandar menos recursos do que um serviço com uso mais frequente. 

Isso possibilita que as máquinas tenham uma melhora em sua performance, otimizando as rotinas e processos do negócio.

Automatize seus processos e escale seu negócio

Agora que você já sabe o que é API Gateway e qual sua função, já deve ter percebido como essa é uma excelente opção para solucionar muitas necessidades da sua empresa, certo?

Além disso, contar com uma plataforma de automação financeira pode ser tão importante para seu negócio quanto o API, atendendo todas as necessidades de gestão para garantir a saúde financeira da empresa. 

Quer saber mais sobre como a tecnologia da iugu ajudou mais de 30 mil negócios? Confira nosso E-book sobre nossos cases de sucesso.

cases de sucesso

 

 

Posts relacionados

homem segurando um celular e um cartão de crédito fazendo um pagamento online
mão de mulher segurando celular com tela aberto do Drex