Voltar

FAQ

Quais as formas de pagamento aceitas pelo gateway iugu?

Aceitamos boleto e cartão de crédito nacional (internacional das bandeiras Mastercard, Visa, Amex, Diners e Elo). Cartões de débito não são aceitos por questões de segurança de dados.

Quais são as categorias de negócios aceitas pela iugu?

Aceitamos diversos tipos de negócios, desde que possuam conta jurídica e não estejam classificados na lista de produtos e serviços proibidos.

O que é necessário para começar a usar iugu?

Após o contato com nossos consultores e fechamento de contrato é necessário criar uma conta iugu seguindo nossos requisitos para abertura de contas.

Qual o horário de expediente da iugu?

Nossa plataforma sempre estará no ar, o atendimento ao cliente e os saques de contas ocorrem se segunda a sexta, das 9h30 às 16h30. Entretanto, por dependência de sistemas bancários, os serviços da iugu são interrompidos em feriados. Saiba mais em nossa página de expediente.

Quais são os recursos cobrados pela iugu?

A partir do plano escolhido, os recursos são cobrados em modelo de assinatura e cobranças mensais. Se necessário, somam-se taxas de configuração inicial e tarifas variáveis. Saiba mais sobre as tarifas cobradas clicando aqui.

Em quais moedas a iugu aceita transações?

A iugu aceita transações somente em Real. No caso do uso de cartão de crédito internacional, a cobrança é também é feita em Real e a bandeira do cartão faz o câmbio para a moeda do cliente.

A iugu é homologada pelo Banco Central?

A iugu recebeu a licença do Banco Central que nos autoriza a funcionar como Instituição de Pagamentos. Publicada no Diário Oficial da União no dia 27 de agosto de 2020.

Quais bancos a iugu suporta?

Para receber os pagamentos pela iugu, é preciso possuir uma conta PJ em um dos seguintes bancos: Banco do Brasil, Banco Original, Banestes, Banrisul, Bradesco, BRB, BS2, C6, Caixa Econômica, Inter, Itaú, Mercantil do Brasil,Modal, Neon, Nubank, PagSeguro, Safra, Santander, Sicoob (Bancoob), Sicredi, Unicred e Via Credi.

Posso cancelar a iugu a qualquer momento?

Você deve solicitar o cancelamento da sua conta com 30 (trinta) dias de antecedência.

A plataforma pode ser utilizada por quem não é desenvolvedor?

Sim! Temos um painel facilitado onde é possível realizar a gestão financeira, cobrar seus clientes, controlar as assinaturas e acompanhar o crescimento de sua empresa.

Sua dúvida não está aqui?

Experimente a página de Ajuda e Suporte da iugu.

Voltar

Descomplique processos financeiros com a iugu!

SKU no Marketplace: entenda mais!

Escrito em 03 de Março de 2020 por Redação iugu

Atualizado em 27 de Julho de 2021

A atuação integrada de lojistas e administradoras de marketplaces envolve processos e práticas que precisam ser otimizados de forma a oferecer ao cliente uma melhor experiência de compra. Você já ouviu falar em SKU?

Esses códigos na mercadoria facilitam a gestão de estoque e, consequentemente, questões logísticas, um dos principais alvos de reclamação por parte dos consumidores. Assim, fica mais fácil evitar o envio de produtos errados ou avariados, por exemplo.

Continue conosco para entender como o recurso pode ser útil no marketplace. Entenda o conceito, aplicação, benefícios e erros mais comuns na sua adoção.

O que é o SKU?

O Stock Keeping Unit, ou Unidade de Manutenção de Estoque, é um código utilizado na identificação de produtos no estoque. Os itens têm uma identidade de forma a facilitar o reconhecimento e controle de quais mercadorias foram vendidas, trocadas ou retornaram às instalações por causa do cancelamento da compra.

Caso você seja lojista em um marketplace, os SKUs precisam ser enviados no catálogo de produtos para a administradora do site e ficam sujeitos a análise. A avaliação garante que as vendas serão realizadas conforme as políticas comerciais da plataforma.

Importância na gestão de estoque

Checar avarias e extravios, rastrear quais caixas estão com cada entregador, acompanhar tempo de entrega, a saída de mercadoria e a necessidade de sua reposição e orientar ações promocionais, de modo a evitar que o capital investido fique parado, ocupando espaço desnecessariamente e sujeito a deterioração.

Tais vantagens são verificadas quando você adota o SKU, também denominado product code ou model number, na exposição e comercialização dos produtos pelo marketplace. Com ele, a gestão de estoque é otimizada, enquanto o controle sobre as vendas aumenta, sendo uma boa forma de posicionar estrategicamente sua empresa no mercado.

Assim, o empreendedor sabe o que comprar e quando. Ainda, a disposição dos itens na instalação física melhora, e os processos de movimentação, empacotamento e transporte ganham mais segurança quando os bens são classificados com todas as suas especificações de um jeito simples e objetivo.

Como o SKU funciona?

Imagine que um vendedor de mochilas em um marketplace compre X unidades de uma mochila cargueira, metade na cor laranja, metade, verde. Ainda, também entrará no estoque uma quantidade Y de mochilas pretas e Z de mochilas azuis para trabalho. Como elas podem ser identificadas?

Uma sugestão é que elas tenham os seguintes SKUs: MCLAR, MCVER, MTPRE e MTAZU. As duas primeiras letras se referem ao tipo de mochila, enquanto as últimas três remetem às respectivas cores.

Havendo mais de um modelo de mochila cargueira laranja e verde, por exemplo, procure um detalhe — como um zíper diferente no design — pelo qual seja possível fazer a distinção entre elas. Assim, você terá a MCLAR e a MCZIPLAR.

Aplicação do SKU no marketplace

A codificação criada por você precisa ser aceita pela plataforma. Algumas administradoras não deferem nomenclatura com caracteres especiais, tais como "/", "-" e "*". Letras e números são amplamente admitidos.

Qual é a diferença entre SKU e código de barras?

Enquanto os códigos de barras demandam equipamento específico para ser lidos, o SKU é uma classificação utilizada pelo lojista inclusive de maneira informal. O nome escolhido pode constar em planilhas do Excel e servir na comunicação interna da empresa.

Outra diferença é cada produto ter o seu próprio código de barras, ao passo que o SKU não indica especificamente um item, mas todos os pertencentes à categoria. O model code CELSAMS9B64 não se refere somente a um único celular (CEL) Samsung (SAM) cujo modelo (S9) está disponível na cor branca (B) e com memória de 64GB (64).

Por fim, o código de barras permanece o mesmo independentemente de estar em posse do fabricante ou do revendedor, por exemplo, pois é um atributo de cada mercadoria. Já o SKU, varia conforme a empresa.

Nesse contexto, a fábrica de móveis pode chamar de MJMAR6 a mesa de jantar de marfim de 6 cadeiras para controle interno dela, enquanto você, na revenda, opta pela nomenclatura 12080MAR, considerando as dimensões do produto.

Que tipo de informações devem constar no SKU?

Marca, peso, localização no estoque, tamanho, material, dimensões, vencimento, dados de garantia, tipo de embalagem,  descrição do produto e cor podem respaldar e escolha da nomenclatura. ​

O empreendedor tem livre-arbítrio para eleger os critérios preferidos ou mais convenientes. De qualquer forma, aconselha-se que a equipe seja consultada antes para que o processo de assimilação dos códigos seja mais rápido e eficaz.

Por que utilizar SKUs?

Apontar variações de modelos, tamanho e cor ajuda na disposição da mercadoria na instalação e ainda simplifica a comunicação interna criando diálogos rápidos e de fácil identificação. Dessa forma, a equipe desenvolve uma linguagem própria, não se perde nas informações e controla processos de reposição de estoque, envio e transporte.

Além da descrição ajudar o empreendedor a lidar com um volume grande de informações, ela contribui para ele se comunicar com a administradora do marketplace de um jeito mais eficiente. Assim os processamentos de compra no sistema interno e na plataforma ficam padronizados e o controle das transações é facilitado.

Ainda, o empresário terá um identificador único em múltiplos canais. Mesmo que a venda ocorra em um só site, no do parceiro comercial, provavelmente você desenvolve vários anúncios para uma mesma mercadoria. Com um número específico é possível analisar ações de marketing e investimentos na divulgação dos itens daquela categoria.

Quais são os erros mais comuns no SKU?

Um clássico é a duplicidade de model codes, principalmente se o seu portfólio é muito grande e você trabalha com uma boa variedade de produtos do mesmo nicho. Pode ficar difícil nomear 10 poltronas azuis de fornecedores e modelos diferentes, por exemplo.

Outro erro comum é confundir o SKU com código de barras. Decorar a sequência numérica de cada item no seu estoque seria impossível, razão pela qual o SKU se faz viável. Ainda, a codificação utilizada pode ser incoerente com as propriedades da mercadoria causando confusão e dificuldade de assimilação.

Ainda, o marketplace pode limitar a inserção de caracteres especiais, então, preste atenção às políticas da plataforma antes de aplicar a nomenclatura aos itens do seu portfólio..

O SKU otimiza a gestão de estoque mantendo os produtos organizados e promovendo maior controle desde o processamento do pedido até sua entrega. Apostar nessa classificação melhora a comunicação da equipe, facilita o atendimento ao cliente e indica com precisão quando e o que comprar, ótima maneira de administrar os recursos financeiros e investimentos com sabedoria.

Se você gostou do assunto, que tal compartilhar o post nas redes sociais? Aproveite a oportunidade para fortalecer sua rede de contatos!