Voltar

FAQ

Quais as formas de pagamento aceitas pelo gateway iugu?

Aceitamos boleto e cartão de crédito nacional (internacional das bandeiras Mastercard, Visa, Amex, Diners e Elo). Cartões de débito não são aceitos por questões de segurança de dados.

Quais são as categorias de negócios aceitas pela iugu?

Aceitamos diversos tipos de negócios, desde que possuam conta jurídica e não estejam classificados na lista de produtos e serviços proibidos.

O que é necessário para começar a usar iugu?

Após o contato com nossos consultores e fechamento de contrato é necessário criar uma conta iugu seguindo nossos requisitos para abertura de contas.

Qual o horário de expediente da iugu?

Nossa plataforma sempre estará no ar, o atendimento ao cliente e os saques de contas ocorrem se segunda a sexta, das 9h às 17h. Entretanto, por dependência de sistemas bancários, os serviços da iugu são interrompidos em feriados. Saiba mais em nossa página de expediente.

Quais são os recursos cobrados pela iugu?

A partir do plano escolhido, os recursos são cobrados em modelo de assinatura e cobranças mensais. Se necessário, somam-se taxas de configuração inicial e tarifas variáveis. Saiba mais sobre as tarifas cobradas clicando aqui.

Em quais moedas a iugu aceita transações?

A iugu aceita transações somente em Real. No caso do uso de cartão de crédito internacional, a cobrança é também é feita em Real e a bandeira do cartão faz o câmbio para a moeda do cliente.

A iugu é homologada pelo Banco Central?

A iugu recebeu a licença do Banco Central que nos autoriza a funcionar como Instituição de Pagamentos. Publicada no Diário Oficial da União no dia 27 de agosto de 2020.

Quais bancos a iugu suporta?

Para receber os pagamentos pela iugu, é preciso possuir uma conta PJ em um dos seguintes bancos: Banco do Brasil, Banco Original, Banestes, Banrisul, Bradesco, BRB, BS2, C6, Caixa Econômica, Inter, Itaú, Mercantil do Brasil,Modal, Neon, Nubank, PagSeguro, Safra, Santander, Sicoob (Bancoob), Sicredi, Unicred e Via Credi.

Posso cancelar a iugu a qualquer momento?

Você deve solicitar o cancelamento da sua conta com 30 (trinta) dias de antecedência.

A plataforma pode ser utilizada por quem não é desenvolvedor?

Sim! Temos um painel facilitado onde é possível realizar a gestão financeira, cobrar seus clientes, controlar as assinaturas e acompanhar o crescimento de sua empresa.

Sua dúvida não está aqui?

Experimente a página de Ajuda e Suporte da iugu.

Voltar

Descomplique processos financeiros com a iugu!

Conheça as principais fraudes em marketplaces e veja como se proteger

Fraudes em marketplaces podem ameaçar um modelo de negócios que faz sucesso com o consumidor brasileiro. Leia o texto e saiba como proteger a sua plataforma.

Escrito em 28 de Maio de 2021 por Parceiro iugu

Atualizado em 28 de Maio de 2021

Um shopping center é um local que atrai pessoas que, muitas vezes, precisam comprar mais de um tipo de produto. Roupas, malas, acessórios, joias e até mesmo itens para a casa, como camas e sofás, podem ser adquiridos no mesmo local. Este conceito migrou para o e-commerce, mas isso não significa que esta ideia, bastante engenhosa, esteja imune: fraudes em marketplaces são um risco para todos os envolvidos neste modelo de negócios.

Segundo estudo da Associação Brasileira de E-Commerce (ABComm), 95% dos brasileiros que compram on-line hoje dizem que fazem uso de marketplaces. E este tipo de loja virtual funciona mais ou menos como um shopping, mas sem que o cliente precise sair de casa para adquirir produtos ou utilizar os mais variados serviços. Livros, carros, delivery de comida, cursos para vestibular, passagens aéreas, manicure, carros por aplicativos, cuidados com pets… enfim, são inúmeras ofertas hoje em dia.

Bom, na verdade, o marketplace em si não vende nenhum produto ou comercializa o serviço. Ele é simplesmente um site ou um aplicativo que faz a intermediação entre compra e venda, permitindo que os consumidores adquiram itens de diferentes varejistas, de uma maneira muito mais prática.

E essa espécie de shopping center virtual que atrai muitos consumidores consegue também agradar lojistas, já que oferece como vantagens a alta visibilidade, marketing e a antecipação de pagamentos.

Mas, como tudo que faz sucesso atualmente, o espaço virtual de compras não está livre da criatividade dos fraudadores. Por isso, vamos listar alguns tipos de fraudes em marketplaces que podem comprometer a saúde financeira e gerar prejuízos a todos os envolvidos na plataforma.

1. Fraude do Perfil de comprador com cartão clonado


Nesse tipo de fraude em marketplace, o que o golpista quer mesmo é receber o produto. Bom, isso, em teoria, é o que todas as pessoas que realizam uma compra querem, certo? Mas neste caso, o fraudador vai utilizar um cartão clonado para realizar a compra.

Mas não é só isso. Para que o marketplace tenha dificuldade em perceber que se trata do golpe, antes mesmo de realizar a compra o golpista vai em busca de um account takeover, ou seja, ele tentará roubar uma conta ativa e com boa reputação na plataforma para que não haja desconfiança.

Se conseguir fazer isso, ele utilizará os dados vazados de um cartão válido para realizar alguma compra. Normalmente esse tipo de golpe será dado em um produto que pode ser facilmente convertido em dinheiro, como joias, ou que tenham alto poder de revenda - como smartphones e aparelhos eletrônicos em geral.

Como proteger sua empresa das compras com cartões clonados?

Simples: soluções antifraude que atuam no pagamento, e melhor ainda se combinadas com outros fornecedores.

2. Fraude dos Testadores de cartão

Esse tipo de fraude em marketplaces é a famosa tentativa e erro. Sabemos que atualmente vivemos na era dos vazamentos, certo? E aqui os fraudadores vão utilizar esses dados vazados para testar e-mails, senhas e cartões de crédito, utilizando a plataforma de pagamentos.

Para aplicar este golpe, os fraudadores pegam os e-mails e CPFs vazados e criam contas falsas, “sequestrando” uma identidade digital ou criando uma identidade sintética. Mas o objetivo de conseguir acessar a plataforma com uma nova conta é simplesmente testar os cartões de crédito clonados (ou vazados).

Para isso, o fraudador começa a fazer compras de pequenos valores para verificar o limite do cartão, que não levantem suspeitas. Primeiro ele vai nas mais baixas, R$ 1, R$ 3 ou até mesmo R$ 5. Com a compra aprovada e ciente de que aqueles dados são válidos, o golpista busca um produto um pouco mais caro, na casa de R$ 30. E assim eles vão aumentando os valores, superando os milhares de reais.

Como proteger seu negócio dos testadores de cartão?

Uma boa análise no perfil desses compradores vai facilmente perceber que se trata de uma fraude. Isso porque, a não ser que você conheça alguém bastante consumista, dificilmente uma pessoa vai realizar 20 pedidos em menos de uma hora, certo?

Além disso, é provável que boa parte dos cartões de crédito que estão sendo testados já tenham sido bloqueados pelas vítimas. Logo, é possível desconfiar de um consumidor que tenta pagar o mesmo produto com cinco ou dez cartões diferentes.

3. Fraude da Triangulação

Dos principais tipos de fraudes em marketplaces, esta é a mais difícil de ser analisada. Aqui, o fraudador se passa por vendedor e comprador em diferentes plataformas. Difícil imaginar? Calma que vamos te dar um exemplo.

Ao se deparar com um anúncio no marketplace X, o fraudador cria um perfil de comprador. Ao mesmo tempo, esse fraudador faz um perfil de vendedor no marketplace Y, com dados convincentes para que a plataforma o autorize a vender, e começa a anunciar exatamente o mesmo produto, com a mesma descrição – mas veja, ele não possui esse produto, o anúncio é falso.

Então, um cliente comum, ao se deparar com o anúncio na plataforma Y, realiza a compra, colocando todos os seus dados para a entrega do produto. Com isso em mãos, o fraudador vai até o anúncio original no marketplace X e compra o produto, utilizando um cartão de crédito clonado e colocando os dados de entrega do comprador real.

Ou seja, por meio de sua loja falsa o fraudador recebe o dinheiro junto ao comprador real e ainda consegue encaminhar o produto, realizando um pagamento com cartão de crédito clonado. Assim, a pessoa que comprou o produto não vai reclamar da entrega, e o golpista receberá o dinheiro.

Como se proteger do golpe da triangulação?

Neste caso, a proteção deve ser preventiva, validando com precisão as aberturas de contas de clientes e de lojistas.

4. Fraude das lojas de fachada

Nesse golpe, o fraudador é, ao mesmo tempo, o comprador e o vendedor do produto. Ou seja, ele se dá ao trabalho de criar uma loja virtual no marketplace, com todos os dados como nome, endereço e produtos para não gerar desconfiança. A partir do momento que o marketplace autoriza o início das vendas o golpe se inicia.

Essa loja que acaba de ser criada começa a fazer um sucesso instantâneo, muitas e muitas vendas aprovadas, milhares de pedidos realizados e mais um empreendedor bem sucedido, certo?

Bem... não é bem assim. Provavelmente o golpista possui os dados vazados de muitos cartões de crédito e está utilizando o marketplace para cometer o crime de lavagem de dinheiro. Como muitas dessas plataformas realizam a antecipação do pagamento e também arcam com custos do chargeback, os golpistas simplesmente extinguem as lojas de fachada assim que a fraude é aplicada.

Como proteger o marketplace de lojas de fachada?

Assim como no tópico anterior do golpe da triangulação: nestes dois tipos específicos de fraudes em marketplaces, a validação e a análise de lojistas no momento do cadastro é o segredo.

Como a identidade digital pode proteger o marketplace?

Tendo em vista todas as fraudes em marketplaces que listamos acima, temos aquela que talvez seja a melhor solução: a validação de identidades digitais de todos os usuários da plataforma, sejam eles compradores ou lojistas, ao longo de várias etapas da jornada digital - do cadastro e do login até o pagamento e as alterações cadastrais.

Mais do que a validação de dados cadastrais, uma das melhores táticas para realizar esta proteção de identidade digital se dá a partir da análise contextual do comportamento do usuário e, também, do dispositivo (ou dispositivos) utilizados. Isso porque devices contêm informações preciosas, sejam elas relacionadas a geolocalização, configurações do aparelho (inclusive se está comprometido), histórico de uso, entre outras.

Claro, talvez faça parte da vida de um usuário realizar mais de 20 compras em apenas uma hora – quem sabe ele tem um comércio? –, mas ele tem potencial para ser um testador de cartões.

Hoje em dia, há no mercado soluções capazes de identificar diversos tipos de fraudes em marketplaces, antes mesmo de as tentativas serem realizadas. Isso porque, mesmo utilizando uma conta de vendedor e uma de fraudador, a análise contextual observaria que o procedimento estaria sendo feito a partir do mesmo device, interrompendo a fraude e garantindo uma operação segura para marketplaces.

 

AllowMe

O AllowMe é uma empresa que está de olho no crescimento do e-commerce e na importância de entregar a melhor experiência para o consumidor. Entregando soluções completas para identificar e mitigar fraudes desde o momento de acesso da plataforma até o checkout. Assim, a segurança é garantida em cada etapa do processo de compra.

iugu

Referência no mercado de meios de pagamentos, a iugu simplifica a forma de fazer e receber cobranças no seu marketplace. Integre com as principais plataformas de e-commerce e potencialize vendas ao máximo, garantindo segurança de ponta a ponta. É fácil acompanhar vendas e estar no controle do negócio. Isso significa um nível a mais de proteção e tranquilidade para tocar as operações no dia a dia.


Texto produzido pelo nosso parceiro AllowMe.

Capa: cookie_studio - br.freepik.com